Quarta, 12 de Junho de 2024 21:49
Anúncio
Geral Tocantins

Operação Malha Fina do Naturatins apreende mais de 3 mil metros de redes de pesca

Ação ocorreu no Lago da UHE de Estreito e no rio Tocantins, nos municípios de São Miguel, Praia Norte, Sampaio e São Sebastião

03/06/2024 21h05 Atualizada há 1 semana
Por: Redação Fonte: Secom Tocantins
Além da apreensão dos materiais, os fiscais também orientaram os pescadores sobre as leis ambientais e a importância da pesca sustentável - Foto: Naturatins/Governo do Tocantins
Além da apreensão dos materiais, os fiscais também orientaram os pescadores sobre as leis ambientais e a importância da pesca sustentável - Foto: Naturatins/Governo do Tocantins

O Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) finalizou nesse domingo, 2, no Lago da UHE de Estreito e no rio Tocantins, mais umaOperação Malha Finapara combater a pesca ilegal, conforme previsto na Portaria Conjunta nº 04/2023. A ação, coordenada pela Gerência de Fiscalização, teve início na terça-feira, 28, abrangendo os os municípios de São Miguel, Praia Norte, Sampaio e São Sebastião, e resultou na apreensão de 3,1 mil metros de redes de pesca, sete espinheis e três tarrafas.

Continua após a publicidade
Entre para os nosso grupo de Whatsapp (CLIQUE AQUI PARA ENTRAR) e receba notícias diariamente.
Entre para o nosso grupo do Telegram (CLIQUE AQUI PARA ENTRAR) e receba notícias diariamente.

O coordenador da operação, Cândido José Neto, ressaltou que a pesca predatória tem causado sérios danos ao ecossistema aquático do Tocantins, colocando em risco diversas espécies nativas e prejudicando a economia das comunidades ribeirinhas. "Nosso objetivo é proteger os recursos naturais e garantir a sustentabilidade da pesca para as gerações futuras.A apreensão desse grande volume de equipamentos ilegais é preocupante", enfatizou.

Além da apreensão dos materiais, os fiscais também orientaram os pescadores sobre as leis ambientais e a importância da pesca sustentável. “Aquelas pessoas flagradas em atividades irregulares poderão receber multas e responder por crimes ambientais, conforme a legislação vigente”, pontuou o coordenador.

Continua após a publicidade
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias